segunda-feira, 20 de março de 2017

Jufem Curitiba/PR abre o ano com muita disposição


Dirigentes participaram de encontros no âmbito nacional e regional, planejam 2017 e motivam as meninas na abertura do ano, com o lema ‘Filha amada, assume a essência do teu ser’


O final de semana de 11 e 12 de março de 2017 foi de muita alegria e aprendizado para as dirigentes da Juventude Feminina de Curitiba/PR. Representantes de 16 cidades do estado do Paraná se encontraram em Londrina, para trocar experiências, ter ideias inovadoras e desenvolverem o ‘Perfil da Dirigente’. Representando Curitiba, compareceram as novas líderes de ramo Caroline Vieira e Emanuelle Battini.

O encontro iniciou no sábado pela manhã com uma linda adoração no Santuário Tabor Esmagadora da Serpente, posteriormente, as participantes tiveram uma palestra preparada pela ex-Jufem e hoje integrante do Instituto de Famílias Ana Paula Paiva, sobre o tema " Nossa essência feminina e o feminismo", para refletir acerca das diversas correntes do feminino e entender as formas de abordar esse assunto entre as meninas de cada cidade.

À tarde, a Irmã Adriane Maria, assessora do regional Paraná, falou sobre a vida da Mãe de Deus, tema de suma importância no Ano Mariano. Após, as meninas tiveram a oportunidade de participar de oficina da Irmã Fabiana Maria sobre como preparar uma sala de reuniões, além de como arrumar uma mesa para encontros, com Cristiane e Rafaela, que participam da Jufem de Guarapuava.

As últimas atividades do sábado englobaram a Santa Missa, jantar da ‘Pequena Maria’ e por fim, uma linda vivência na qual todas puderam refletir sobre as suas essências e entregar ao Capital de Graças três características da MTA que gostariam de preservar no papel de dirigentes.

O dia de domingo contou com celebração do Padre Antônio Fiori na capela histórica, logo após, foi promovida uma breve oficina sobre as fases das apóstolas e como preparar vivências e adorações. O encontro terminou com um breve bate papo para seleção do ‘Perfil da Dirigente’, momento em que as participantes definiram três pontos principais a serem trabalhados: maternidade, compromisso e serviçalidade.

O início dos trabalhos do ramo em 2017

No dia 19 de fevereiro de 2017, no Santuário Tabor Magnificat, a Jufem Curitiba se encontrou logo cedo para desfrutar da Abertura do Ano preparada com muito amor e carinho pelas líderes. Junto à assessora Ir. Eliza Maria, ao todo compareceram quatorze meninas de quatro grupos de vidas diferentes: Speculum Regina ter Admirabilis, Mariengarten, Fonte de Fidelidade e um novo grupo que se inicia ainda nesse semestre, o Universitárias III.

A abertura começou com adoração no Santuário Tabor Magnificat, onde cada menina pode ter seu momento com o Santíssimo e colher um lírio muito especial feito pelas líderes. Em seguida, Ir. Eliza Maria preparou uma dinâmica em que houve a oportunidade de elogiar e exaltar as qualidades das irmãs de ramo, o que as fez relembrar de que são uma família, a qual pode ter problemas, mas que acima de tudo se ama. Após esse momento de interação, a assessora apresentou o lema da Jufem em âmbito nacional: “Filha amada, assume a essência do teu ser!”, alertando sobre como todas devem zelar por aquilo que as fazem únicas e especiais aos olhos de Deus e da Mãezinha.

Para encerrar o período da manhã, a líder Carol, que esteve presente no Encontro Nacional de Dirigentes em Santa Maria/RS, realizado em fevereiro, contou sobre a sua experiência na ocasião. “Ir para o encontro de dirigentes foi uma das melhores coisas que eu fiz durante esse tempo de Jufem. Lá eu pude viver intensamente minha Aliança de Amor, voltar a minha essência e meu amor por Schoenstatt. Conviver com meninas com o mesmo ideal e pulsar pela MTA me deixou encantada e me fez ter mais a certeza de que quero Schoenstatt para minha vida. Sou grata à MTA pela oportunidade de ter tido uma vinculação maior com a MTA, o Pai Fundador, João Pozzobon e as meninas que transbordam por amor à Ela. Peço que Ela me abençoe para que eu consiga transmitir esse amor todos os dias no ramo e no meu dia a dia”.

Durante o período da tarde ocorreu a parte prática da Abertura: datas, horários, projetos e propósitos. Anunciou-se uma proposta diferente para o ramo em 2017: duas reuniões mensais, uma de cada grupo de vida e outra do ramo como um todo, ou seja, os grupos de vida ainda continuam com suas conquistas e, unidas como ramo, haverá aprofundamento nos temas abordados no livro do ano. Também foi apresentado o calendário do ano, em cada mês há um propósito em especial pela Jufem, pela Família de Schoenstatt e pela Igreja.

A abertura foi encerrada com a sensação de dever cumprido e aquele sentimento de que a Jufem Curitiba, mesmo encontrando provações pelo caminho, consegue seguir em frente com muito amor e em constante contribuição ao Capital de Graças.

A salvação do mundo começa pelas famílias


Liga das Famílias se reúne em Curitiba para iniciar os trabalhos de 2017, que abrangem adorações pelas vocações e celebração do Jubileu de 75 anos da Obra das Famílias

“Só quando salvar a família, conseguiremos salvar o mundo”. Essas são palavras do Padre José Kentenich que norteiam a Obra das Famílias, a qual celebra o jubileu de 75 anos de fundação em 2017. Teve papel decisivo na sua fundação o Doutor Kuhr, que em meio aos horrores do Campo de Concentração de Dachau colocou-se à disposição do Pe. Kentenich para ajudar na constituição da Obra, formada por Instituto Secular, União Apostólica e Liga de Famílias.

Tanto a história do Dr. Kuhr quanto os ideais de “Ser Santuário Vivo”, “Um Novo Nazaré” e “Ser Tabor para o Mundo” foram abordados em reunião da Liga realizada em 19 de março, no Santuário Tabor Magnificat. Também houve momentos de oração, consagração, leitura orante e atividade de integração. Essa parte inicial teve a participação dos membros Selvino Muraro, que tratou dos propósitos e objetivo do ramo, e Eliza Marochi, que conduziu a espiritualidade.

A passagem bíblica selecionada para a leitura orante foi Mateus 9,9-13, a qual relata como foi o chamado do apóstolo Mateus e traz o ensinamento de que Jesus veio à terra para chamar os pecadores e não os justos. Com base no texto, a partilha realizada entre as famílias levou à conclusão de que é necessário ir em busca dos ‘doentes’, que são as pessoas mais afastadas e necessitadas de acolhimento, sem desistir delas.

Após, a Irmã Maria Doralice de Souza falou sobre o Símbolo Nacional, o Hino da Liga, a Oração da Liga e a proposta de trabalho para o ano de 2017. Em relação ao símbolo, foi dado destaque ao círculo vermelho – traz a ideia de aliança de amor e sentido de pertença; a família com casal e filhos – são o Santuário Vivo, as pequenas ‘Igrejas Domésticas’ sob a ótica do Papa João Paulo II; e a MTA – Mãe Três Vezes Admirável, que gera Cristo no coração dos filhos.

Todos esses aspectos trabalhados irão embasar as atividades elencadas para este ano, que abrange missas, reuniões, adorações pelas vocações e comemoração do Jubileu. Os 75 anos da Obra serão relembrados com o propósito ‘Família, despertai! Na alegria da Aliança de Amor’.

Símbolo da Liga de Famílias

domingo, 19 de março de 2017

Liga das Mães promove Feira de Páscoa

No dia 8 de abril, a Liga das Mães realiza a Feira de Artesanato de Páscoa, com itens confeccionados pelas próprias integrantes do ramo. O evento irá ocorrer no Santuário Tabor Magnificat, a partir das 10 horas.
Parte da arrecadação será revertida em contribuições para os acabamentos finais da nova Capela, a qual faz parte da primeira etapa de obras, cujos próximos estágios consistem em finalizar a Casa de Retiros Pe. José Kentenich, salas do movimento, auditório, refeitórios, cozinha, dentre outros espaços comuns.
Para mais informações, foi disponibilizado o telefone (41)3279-1391. 

quarta-feira, 15 de março de 2017

Curitiba/PR realiza a abertura do Ano da Família

Empenhada em fortalecer o Santuário Tabor Magnificat, a família celebrou a conclusão da 1ª etapa da Casa de Retiros e refletiu sobre o Ano Mariano e o Ideal Tabor, que irão nortear todos os trabalhos de 2017


Unida em torno do Santuário Tabor Magnificat, a Família de Schoenstatt de Curitiba/PR reuniu, no dia 5 de março, representantes dos ramos, comunidades e romeiros de Schoenstatt para a abertura das atividades de 2017.

Um ato simbólico marcou o começo do encontro, quando entregaram sobre o altar do Santuário um tijolo, representando o empenho e as contribuições ao Capital de Graças de toda a Família em prol da primeira etapa construída da Casa de Retiros Pe. José Kentenich.

Após a cerimônia, foram promovidas palestras e mesas-redondas entre os membros ali presentes, com o objetivo de realizar uma retrospectiva do ano anterior, bem como de abordar e refletir sobre os rumos do ano que estava sendo oficialmente iniciado. João Paulo Oliveira, presidente do Conselho da Família de Schoenstatt, citou o Congresso de Outubro de 2016 da Regional Paraná, realizado na cidade de Londrina/PR, em que compareceram todos os líderes dos ramos do Estado.

“Juntando Schoenstatt em saída com o Ano da Misericórdia e o Amoris Laetitia, o lema do ano passado foi ‘Na Misericórdia do Pai, santidade e missão na família’. A partir disso, tivemos formações e chegamos a algumas conclusões: houve uma ampla maioria de participantes que achou que o congresso foi um importante espaço para renovar o ardor apostólico e missionário, sair da comodidade, então Schoenstatt em saída. Isso deve ser concretizado através do compromisso maior com a Igreja, do Movimento estar presente nas paróquias. Ainda apoiar o Ano Mariano Nacional, que é este ano de 2017 e fortalecer os projetos apostólicos existentes”, relatou João.

Após, a também presidente do Conselho Aline Russi trouxe ao público as linhas que irão nortear os trabalhos do Santuário Tabor Magnificat em 2017. “Esse ano temos o jubileu do Ideal Tabor, completam-se 70 anos da vinda do Pai Fundador ao Brasil, além dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida nas águas do rio Paraíba do Sul. Como família, devemos começar a pensar como vamos viver o Ano Mariano aqui no nosso Santuário e também dentro dos nossos ramos, e também resgatar o Ideal Tabor. Será que sentimos a essência do que é o Tabor, de que devemos viver tanto dentro do nosso ramo quanto dentro das nossas casas? ”, questionou ela.

O casal Ana Paula e Guilherme Paiva, do Instituto de Famílias de Curitiba/PR, demonstraram algumas reflexões sobre os dois temas. “No Ano Mariano o Papa Francisco nos proclama a vivenciarmos uma vinculação maior a Maria e dentro do nosso movimento o nosso Pai Fundador nos chama a experimentar novamente as graças da proclamação do Ideal Tabor, já há 70 anos. Então nós temos o Papa e o Pai Fundador falando diretamente ao Brasil. É um ano de muitas graças”, disse Ana Paula.

O Ano Mariano

Para melhor introduzir o contexto, foi citada a primeira vez em que a Virgem Maria teve uma aparição na América Latina. Em 1531, Ela apareceu para o índio Juan Diego, na cidade de Guadalupe, no México, que é considerado o primeiro país latino-americano partindo do Norte para o Sul. Depois, Nossa Senhora foi descendo pela América Latina, até que em 1717 apareceu para pobres pescadores no Brasil.

Segundo Ana Paula, “Maria tem feições latinas e indígenas em sua imagem de Guadalupe e depois, quando chega ao nosso país, ela tem feições negras. Ela sempre traz feições do povo que havia encontrado, inclusive dos nossos caipiras pira poras, dos escravos, dos pobres, não só os pobres de riquezas materiais, mas os pobres espirituais também, quantas vezes nós não somos pobres espirituais? Quantas vezes nós não precisamos nos libertar de algumas correntes que nos prendem? A Mãe vem nos libertar de tudo isso”.

A partir do encontro libertador no rio Paraíba do Sul, inúmeros milagres foram realizados pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida, fazendo a devoção crescer mais e mais, a ponto de integrar a própria cultura popular e a espiritualidade brasileira, em meio ao “calor humano”, típico do povo latino-americano. Tal característica é tão reconhecida mundialmente, que o Pe. José Kentenich chegou a dizer que “a salvação da Europa passa pela América Latina”. 

“Ele sabia que os problemas vocacionais, pelos quais inclusive o nosso movimento está passando na Europa, passam pelo calor humano, pela forma de vinculação, pelo carinho que as pessoas demonstram entre si”, concluiu a palestrante.

O Jubileu do Ideal Tabor

Junto com os 70 anos da proclamação do Ideal Tabor no Brasil, também se comemoram 75 anos do marco histórico de 20 de Janeiro de 1942 – quando o Pe. Kentenich decidiu livremente ir como prisioneiro para o Campo de Concentração de Dachau, Alemanha, em prol da Obra de Schoenstatt –, e 75 anos da divulgação da Obra de Marias.

Em meio a tantos acontecimentos marcantes, sempre destacaram-se as atitudes e palavras do Pai Fundador, decisivas para o crescimento e fortalecimento do Movimento de Schoenstatt em terras brasileiras. “O interessante é que na primeira visita do Pai Fundador ao Brasil, notamos, pelos registros da época, que ele se sentiu muito à vontade aqui, apesar de falar alemão que é uma língua muito diferente, veio de uma cultura diferente, assim que ele chegou viu que tinha algo especial, pois se sentia em casa”, contou Guilherme Paiva, que inclusive recordou a célebre citação de Pe. José Kentenich: “Não sei se vossa disposição é semelhante à minha. Eu não me sinto deslocado entre vós, é verdade que são rostos estranhos, idioma estranho, porém a vida interior tem o mesmo fundamento”.

Ele veio até o nosso país em 1947, após a sua libertação do campo de concentração resultante do fim da 2ª Guerra Mundial. Por conta de o mundo estar polarizado no pós-guerra, enfrentou muitas dificuldades de ordem de relações exteriores para chegar à América Latina. Mesmo assim, recebeu muitas graças da Mãe de Deus e conseguiu realizar todo o roteiro necessário para entrar em contato com frutos de suas obras até então pouco conhecidos. Primeiro, chegou no Rio de Janeiro/RJ, decidiu se dirigir a Santa Maria/PR, a partir disso viajar sentido Norte, até chegar ao Paraná.

Os principais objetivos do Pai Fundador nesta viagem eram “experimentar as glórias da querida Mãe Rainha Três Vezes Admirável de Schoenstatt, combinar-se com os membros da Aliança de Amor para, segundo suas próprias palavras, ‘preparar e ampliar ainda mais a glorificação da querida Mãe de Deus’, além de acrescentar seus ‘agradecimentos por ter-lhes conservado a fidelidade e a Aliança durante todos esses anos’. Ele era muito grato às irmãs missionárias que vieram e mantiveram a fidelidade à Aliança e aos propósitos de Schoenstatt”, enunciou Guilherme. “Queremos conquistar o Brasil inteiro” foi a frase pela qual o Pai resumiu suas aspirações para o Brasil, traduzidas no Ideal Tabor.

O ideal surgiu após recitar para Irmãs de Maria o “Hino da Minha Terra”, oração presente no livro “Rumo ao Céu”, especialmente a estrofe “sim, eu conheço essa terra maravilhosa, é o prado de Sol no brilho do Tabor”.  De acordo com Ana Paula Paiva, “ele disse que naquela cena do Tabor Bíblico, com a transfiguração de Jesus ocorreu a transfiguração de todos nós, experimentamos a perfeição, a santidade, o heroísmo, e é isso que ele queria nos filhos de Schoenstatt. A nossa terra natal, terra de Schoenstatt, é justamente o ‘prado de Sol no brilho do Tabor’. O Pai Fundador então proclama, conforme a vida que já existia e já era gerada em nosso País, o Ideal Tabor, para dele fluir a força de Cristo, que resplandeceu no Monte Tabor e nos mostrou a Sua santidade e a santidade de Deus. No Tabor deve também resplandecer as glórias de Maria, a Mãe de Deus deve realizar o milagre da transformação”.

Os resultados das reflexões

Após as exposições de temas, grupos formados por todas as pessoas ali presentes participaram de mesas-redondas a fim de responder como o Santuário Tabor Magnificat poderia vivenciar melhor o Ano Mariano e o Jubileu do Ideal Tabor.

As principais conclusões, apresentadas ao público em geral, foram aumentar o nível de profundidade espiritual, recorrendo a literaturas como “O Ideal Tabor”, do Pe. Alexandre Awi Mello, para “obter formas concretas de vivenciar o ideal, de recordar, viver, agradecer e levar o estilo de vida de Schoenstatt para fora do Santuário”; viver o Ano Mariano dentro das famílias e  ramos por meio da divulgação da devoção à Mãe Três Vezes Admirável; reforçar a prática de orações marianas e terços, tanto no Santuário quanto nas paróquias; aprofundar-se nas graças do Santuário, dar testemunho aos que ainda não o conhecem e acolher as pessoas carentes de espiritualidade; usar a comunicação para divulgar ao público as características e ações de cada ramo; e promover a unidade entre os ramos, integrando-os em projetos e atividades que já existem. Resta a todos “arregaçar as mangas” e partir para a Missão!


Terço dos Homens de Curitiba celebra nove anos




No dia 11 de março de 2017 foi comemorado o 9º aniversário do grupo do Terço dos Homens Mãe Rainha que se reúne junto ao Santuário Tabor Magnificat, em Curitiba/PR.

Outros grupos do Terço, da capital paranaense, foram convidados para celebrar e agradecer a caminhada dos homens junto com a Mãe de Deus. No primeiro momento foi rezado o Terço na nova capela, ao lado do Santuário. No quinto mistério, todos saíram em procissão, com as imagens da Mãe e Rainha e de Nossa Senhora Aparecida, até o Santuário, onde foi cantada a Salve Rainha em latim, pelo grupo do Terço dos Homens da Paróquia Bom Conselho.

No final da oração, todos os grupos presente no Santuário se reuniram numa confraternização de aniversário, mostrando a união de todos os homens do Terço. Em seguida, como ápice da celebração, participaram da Santa Missa junto com a comunidade, sendo esse o momento maior de render graças a Deus e à Mãe e Rainha pela trajetória e unidade do Terço dos Homens junto ao Santuário. O Terço é um sinal de união e renovação entre os homens de fé, que está restaurando as famílias e conduzindo muitos para o encontro de Deus.


Instrumentos de amor, perdão e fé inabalável


125 missionários de diversas origens se uniram no Santuário Tabor Magnificat, de Curitiba-PR, para levar à cidade de Rio Branco do Sul uma Igreja viva e presente 

“Família em saída, vivencia o amor”. Esse foi o lema entoado pelos 125 missionários que, entre os dias 24 a 28 de fevereiro, deixaram o conforto de seus lares para levar o amor da Mãe Três Vezes Admirável aos moradores da cidade de Rio Branco do Sul – PR. Eles partiram de várias cidades do Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, até do Paraguai, encontraram-se no Santuário Tabor Magnificat de Curitiba-PR e participaram da Santa Missa de Envio, celebrada pelo Pe. Marcelo de Souza – sacerdote que inclusive integrou-se ao Grupo Missionário Magnificat.

Distribuídos em três comunidades acomodadas em escolas das regiões de Caic, Tacaniça e Igreja Matriz, formaram famílias que estabeleceram uma identidade mútua e estiveram presentes umas nas outras em comunhão de corações, para assim vivenciarem o amor de maneira ainda mais intensa, como as primeiras comunidades de católicos o faziam. Partilharam tudo na convivência diária, como quartos, tarefas, mesas de refeição, vivências de espiritualidade, etc.

Também participaram junto aos riobranquenses de visitas às casas dos bairros, terços, Missas, Noite de Formação de Lideranças, encontros com crianças, jovens e adultos, além da Noite Missionária – evento que reuniu todos os missionários para confraternização e adoração ao Santíssimo. Tudo foi organizado por uma Comissão Central, formada por reitores, ecônomos, equipes de espiritualidade, liturgia, jovens, crianças e adultos.

Eliza Marochi, integrante da parte de espiritualidade, traduziu os principais pontos trabalhados durante os cinco dias. “Utilizando como base as virtudes da exortação apostólica Amoris Laetitia, começamos com perdão, para que pudéssemos liberar tudo o que nos angustiava e tirava nossa paz, depois, buscamos aproximar as famílias formadas pelos missionários e focamos no amor deles para com a comunidade, que cada um levava em cada visita às famílias, de coração aberto, sem julgamento, de maneira gratuita”.

Tanto aspectos introspectivos quanto sociais foram pauta dos encontros. “Outro tema foi a vivência, porque para aprender, temos que viver, sentir, praticar, senão fica só na teoria, por isso, ainda exploramos a importância de colocar no mundo nossos talentos, multiplicar o que Deus nos deu”, explicou Eliza, que fez um balanço final da participação dos missionários nas atividades: “eles foram maravilhosos, mergulharam nas dinâmicas, extraíram muitos aprendizados, exercitaram paciência, disciplina, foco e objetividade, isso sem contar as adorações, que foram lindas, interiorizadas, respeitosas”.

Pe. Marcelo também contou suas impressões acerca das vivências que todos tiveram. “As Missões Familiares representaram um verdadeiro tempo para tocar corações. Tocamos o coração de muitas pessoas e o nosso coração também foi tocado. A experiência vivida em Rio Branco do Sul confirmou o caminho que não podemos mais deixar, o caminho das missões”, confessou.

Compartilhando do mesmo entusiasmo, o pároco de Rio Branco do Sul, Pe. Eder Szpak Meiga, revelou que “o Carnaval de 2017 foi diferente para a Paróquia de Nossa Senhora do Amparo, de modo todo especial para as comunidades da Vila São Pedro, Tacaniça da Fábrica e Natânea, devido às Missões Familiares do Movimento de Schoenstatt. Foram dias maravilhosos nessas comunidades juntos com os missionários. As visitas às famílias, os momentos de oração, os encontros celebrativos e formativos foram muito especiais. Várias pessoas que foram visitadas e participaram dos diversos momentos ficaram maravilhadas com o testemunho da Alegria do Evangelizar dos missionários”.

Ele ainda abençoou aqueles que decidiram doar parte de seu tempo para levar a Palavra de Deus a quem mais precisava. “Que A Mãe Peregrina possa interceder com muitas graças por cada um dos missionários que aqui estiveram”, finalizou.

Missionários de diversas origens são chamados

Raquel Cabrera veio de Cidade de Leste, no Paraguai, para integrar o grupo. Ela participa da Liga Apostólica Feminina de Schoenstatt e sempre sai em missões com o Movimento. De acordo com ela, “neste ano tive momentos maravilhosos, os quais me mostraram que ainda há muita gente boa neste mundo, disposta a levar Deus aos outros com muito amor e alegria. Vi que meus problemas são mínimos comparados com os de outras pessoas, apesar de tudo, elas vivem com muita fé e não reclamam de nada. As missões também me demostraram que formar uma família com base em Deus e ser feliz é possível. Foram dias de muita alegria e amor... guardo cada momento e cada rosto no coração. Voltei para casa renovada, com amor, felicidade, paz no coração, e sobretudo muita a Gratidão a Deus e a toda comunidade”.

Já Jeferson Rogério Faria veio de muito perto para acompanhar uma das comunidades. Ele é morador de Rio Branco do Sul, atuante na Igreja Local, por isso aproveitou para passar um dia com os missionários. Relatou uma maravilhosa experiência: “conheci o movimento de Schoenstatt nessa ocasião e a minha integração com a comunidade foi incrível, as pessoas me acolheram com o coração e interagiram bastante comigo. As visitas às casas representaram um aprendizado muito valioso, pois observei novas formas de abordar as pessoas, conversar, ouvir mais do que até falar. A experiência me deu novo ânimo, novo ardor, desejo de ser missionário da Igreja em saída”.  Tal testemunho veio ao encontro dos ensinamentos proferidos pelo Pai Fundador Pe. José Kentenich nas conferências de 1963, dentre os quais destaca-se que “a meta de toda a Família de Schoenstatt é constituir e formar o homem novo em uma nova comunidade. Conceitos antigos e desgastados mas que agora revitalizamos. O homem novo é o homem pleno de alma, de espírito, unido aos demais em uma comunidade verdadeira. É um homem que cultiva em sua alma o encontro, o estar no outro, com o outro e para o outro” .

A diversidade de origens dos missionários tornou as Missões Familiares de Curitiba ainda mais ricas. Romario Souza, do Santuário de Jaraguá (São Paulo-SP), disse que “vivenciar as missões foi fundamental para descobrir que apesar de não notarmos nos dias de hoje, Deus age de forma grandiosa! Ele nos ensina a sermos extraordinários no ordinário”. Ana Laura, participante da Juventude Feminina do Santuário de Santa Maria-RS, relatou que “participar das missões é, antes de tudo, um despojar se de si mesmo, é colocar-se de forma pequena junto aos pés de Maria. Ser seus olhos, boca e ouvidos, mais intensamente durante os cinco dias. É se fazer filho, um instrumento moldável nas suas mãos. É presenciar com clareza a Divina Providência atuando nas pessoas e nos acontecimentos, sentir o Espírito Santo inflamando corações e inspirando doações heróicas. Perceber que Deus oferece alento e que todas as dificuldades se tornam uma linda forma de se sacrificar pelas almas e trazer muitas conversões”.

Ser reitor: um trabalho árduo e gratificante

No ano de 2016, houve renovação no quadro da reitoria. A equipe passou a ser formada pelos casais Gilseanne e Alexandre Rossi (reitores gerais), Goreti e Selvino Muraro, além da dupla Scheyla Furlan e João Paulo Oliveira. Elder Semprebon, integrante da equipe anterior, permaneceu para apoiar os novos reitores.

O primeiro desafio enfrentado por eles foi encontrar uma nova cidade em que se pudesse disseminar a Cultura da Aliança e a troca de corações com a Mãe de Deus. Pensou-se em algumas cidades do Paraná e para auxiliar na escolha definitiva, recorreu-se a Dom José Mario, o bispo auxiliar de Curitiba. “Uma das nossas sugestões foi a cidade de Rio Branco do Sul, a qual foi aceita por Dom José Mario. A partir disso veio o contato com a paróquia... o que inicialmente causa estranheza para qualquer pároco, será que é um trabalho sério? Será que sabem o que irão encontrar? Será que tem capacidade para isto? Será... por fim, as incertezas foram sendo esclarecidas, o padre Eder deu o seu sim e nos acolheu dando total apoio necessário”, explicou Rossi. 

Após a definição da cidade, passou-se para a escolha do tema que nortearia toda a preparação. Com base nas correntes de vida da Igreja como um todo, do Movimento de Schoenstatt e da Igreja Local, chegou-se ao lema “Família em saída, vivencia o amor”, tendo como principais subsídios a Amoris Laetitia e a vivência da Aliança de Amor.  O próximo passo foi escolher os nomes para a Comissão Central, convidá-los e acompanhar seus trabalhos.

Iluminados pelo Espírito Santo, a equipe de reitoria enfrentou ainda muitos desafios adicionais. “Uma das tarefas que julgamos mais desafiadoras foi manter o clima de comunidade e o ânimo entre todos os missionários. Outro ponto preocupante foi qual legado deixaríamos para a cidade. A resposta veio com a Noite de Formação de Lideranças e o domingo aberto, que permitiu às lideranças locais passarem o dia todo conosco. Em ambas as ocasiões vimos os líderes locais motivados e conseguimos mostrar um caminho para o estado permanente de missão”, relatou Alexandre.

Muitos dos esforços dos reitores concentraram-se em unir os missionários à comunidade local e acolher a todos sem nenhum tipo de pré-julgamento, de maneira a atender ao pedido do Padre Kentenich para que “por Schoenstatt se encham novamente as amplas naves da santa Igreja”.  Os objetivos foram alcançados com êxito, prova disso foram os diversos depoimentos colhidos, os muitos casos de pessoas que há mais de uma década não participavam de uma celebração Eucarística e estavam presentes após serem visitadas, também ao amplo comparecimento da população na Missa de Encerramento realizada na Igreja Matriz.

“Tendo em vista que os bancos ficaram cheios em plena terça-feira, pudemos ter a certeza de que vivenciamos nossa aliança de amor, que levamos a Rio Branco do Sul a cultura do encontro, e por fim pudemos afirmar que o Movimento não é voltado somente para si, para o crescimento interno, mas que Schoenstatt é missão, que Schoenstatt é para a Igreja”, concluiu a equipe de reitoria.


Programação Fixa - 2017

Santas Missas
De 2ª feira a Sábado, às 17h
Domingos às 11h e às 17h



Intenções para cada dia:
2ª feira - pelas almas do purgatório
3ª feira - pelas famílias
4ª feira - pelos enfermos
5ª feira - pela Eucaristia
6ª feira - pela Misericórdia


Projeto Mãe e Rainha nas Famílias: todo final de semana sorteio de uma Família para receber a visita da imagem Peregrina!

Venha selar sua Aliança de Amor com Maria - encontros preparativos:

- Na Paróquia do Santíssimo Sacramento, sempre às 20h, nos dias 13/03, 27/03, 10/04, 24/04, 08/05, 15/05 e 22/05. Aliança de Amor será selada no dia 04/06 e o Encontro Pós Aliança será em 25/06.
- No Santuário De Schoenstatt Magnificat, sempre às 9h30, nos dias 12/03, 19/03, 26/03, 02/04, 23/04, 30/04, 07/05 e 28/05. Aliança de Amor será selada no dia 04/06 e o Encontro Pós Aliança será em 25/06.


Atendimento do Sacerdote Pe. Marcelo de Souza:
3ª feira a Domingo, com horário agendado (telefone 41-3279-1391)


Outros Eventos:
- Toda 4ª feira, às 16h30 - Novena da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt 
- Toda 5ª feira, às 8h - Adoração ao Santíssimo Sacramento (término às 16h com Bênção do Santíssimo)
- Todo Sábado, às 15h - Terço dos Homens da Mãe Rainha 
- Todo Domingo, às 15h - Terço da Misericórdia 
- Todo Domingo, às 15h30 - Consagração das Crianças
- Todo Domingo, às 16h - Terço das Famílias 
- No 4º Sábado do mês, às 17h - Santa Missa com a Benção da Mãe Gestante
- No 2º Domingo do mês, às 17h - Santa Missa das Famílias 
- No 3º Domingo do mês, às 11h e 17h - Santa Missa Mariana 
- No 4º Domingo do mês, às 11h - Santa Missa das Crianças


Horário de atendimento da Loja Magnificat:
2ª a 6ª feira, das 8h30 às 18h
Sábados e Domingos das 9h às 18h

Horário de atendimento do Café Magnificat:
3ª feira a Domingo, das 9h às 18h