quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Família de Schoenstatt celebra aniversário do Pe. Kentenich anunciando o novo lema



Fonte: Portal Nacional do Movimento Apostólico de Schoenstatt (http://www.schoenstatt.org.br)

Neste dia especial de festa, 16 de novembro, aniversário do Pe. José Kentenich, o diretor nacional do Movimento Apostólico de Schoenstatt no Brasil, Pe. Ivan Simicic, anuncia, em nome da Central Nacional de Assessores, o novo lema da Família de Schoenstatt para os próximos três anos: “Unidos ao Pai e Profeta, por uma nova terra mariana”.

A carta diz que somos “desafiados a aprofundar-nos no pensamento e na missão profética do Pe. Kentenich para assumi-la e colocá-la em prática em todos os âmbitos onde atuamos” e que “a construção de uma nova terra mariana exige da nossa parte muito heroísmo”.

Confira o texto na íntegra:

1. Introdução

Depois do Centenário da Aliança de Amor (2014), que foi preparado pela Família Internacional em conjunto e no Brasil, em particular, com um novênio, a Central Nacional de Assessores elaborou o primeiro lema Pós-Centenário que até agora nos tem acompanhado: “Contigo Pai, Família em Aliança, santidade e missão”. Este lema recebeu posteriormente os impulsos do Encontro Internacional de Pentecostes (2015), no qual representantes de todos os países onde existe o Movimento organizado elaboraram um Memorando com linhas-mestras para a projeção da Família de Schoenstatt Internacional. A partir do fogo do Centenário, queríamos ser um Schoenstatt em saída.

Durante o último Encontro da Central Nacional de Assessores (maio 2017), concluímos que diferentes vozes de Deus nos indicavam que havia chegado o momento de fazer em cada um dos nossos Regionais um processo, para buscar os elementos que nos permitissem formular um novo lema para a Família do nosso Brasil Tabor.

Este processo aconteceu em cada um dos Congressos de Outubro passados, onde os nossos Dirigentes analisaram as vozes de Deus no tempo, na alma e no ser da nossa época atual. Como era de se esperar, houve uma grande diversidade de elementos que foram destacados pelos participantes na dinâmica utilizada. Ainda que a quantidade dos elementos propostos era bastante ampla, nos foi possível encontrar muitas coincidências e acentos comuns.

O Núcleo da Central Nacional de Assessores teve uma reunião no dia 08/11 para analisar o material que cada Regional enviou e para formular, a partir dele, o lema que vai nos acompanhar nos próximos anos. Com muita alegria e esperança comunico o novo lema da Família Brasil Tabor:

“Unidos ao Pai e Profeta, por uma nova terra mariana”

2. Explicação do lema

a) Unidos:

O primeiro elemento do lema destaca a unidade com o Pai e Fundador. Possuímos um vínculo original e fundamental com o Pe. Kentenich, como terceiro ponto de contato. Queremos também transparecer o carisma dele, queremos mergulhar nele e anunciar o seu pensamento. Queremos ser a sua carta de recomendação para que ele seja reconhecido e canonizado.

Mas essa unidade com o Pai e Fundador (Cor unum in Patre) fundamenta a nossa unidade familiar. Queremos desenvolver ao máximo e fortalecer os nossos vínculos e, como Família de Schoenstatt, contribuir especialmente no resgate das famílias do mundo. Sermos carta viva do Pai para salvar as famílias.

b) Pai e Profeta:

Acreditamos que neste momento da Igreja e da sociedade é urgente ter personalidades proféticas que sejam resposta aos desafios do nosso tempo. Acreditamos que o nosso Pai e Fundador é um grande Profeta para o nosso tempo atual. Ele sabia que era portador de uma missão, com um acento muito claro na construção de uma nova ordem social cristã. Ele soube fazer um diagnóstico e um prognóstico acertado sobre a época em que vivemos e, antecipadamente, elaborar uma resposta por meio da espiritualidade, da pedagogia e da mensagem de Schoenstatt, mas tudo isso especialmente encarnado no caso preclaro que a Família de Schoenstatt deveria chegar a ser (coração da Igreja – alma do mundo).

Somos, portanto, desafiados a aprofundar-nos no pensamento e na missão profética do Pe. Kentenich para assumi-la e colocá-la em prática em todos os âmbitos onde atuamos. Isso é especialmente relevante quando começamos o Ano do Laicato, convocado pela CNBB a partir da Festa de Cristo Rei (26/11/17). Podemos dizer, com convicção, que chegou a nossa hora, vivamos e anunciemos a missão!

c) Por uma nova terra mariana:

Nosso vínculo ao Pai e Profeta e a nossa unidade familiar estão a serviço da construção de uma nova ordem social, de uma nova terra mariana. A palavra “nova” quer destacar o aspecto da grande ousadia que nos é exigida nesta hora de grandes desafios. A construção de uma nova terra mariana exige da nossa parte muito heroísmo. Herói é aquele que consagra sua vida a uma grande tarefa. Precisamos de novas forças, de um novo protagonismo e de um aprofundado espírito de sacrifício, capaz de se consumir totalmente pela missão. Só um filho heroico do Pai do Céu será capaz de vencer, vivendo o heroísmo da fé, da esperança e do amor em todas as circunstâncias da sua vida.

A terra mariana que queremos construir é sinônimo do Tabor, que é descrito no “Hino da minha Terra” (RC 600 ss). Expressa a urgência pela construção duma nova sociedade em nossa pátria, um novo Brasil. Também expressa a dimensão mariana da nossa missão e da nossa projeção missionária permanente. Construindo a nova terra mariana estaremos tornando realidade o Schoenstatt em saída. Estamos em saída para transformar o mundo, o Brasil em nova terra de Maria.

3. Conclusão

Esta apresentação exprime algumas das dimensões que foram elaboradas pelos Regionais durante os seus respectivos Congressos de Outubro. Convidamos as diferentes instâncias: Centrais de Assessores, Conselhos de Família, Comunidades e Ramos do Movimento a se aprofundar nos elementos do lema e a descobrir caminhos para sua aplicação de acordo com a realidade concreta de cada local e de cada comunidade. Agradecemos todas as sugestões e propostas que nos enviarem, para enriquecer esta apresentação e, sobretudo, para que o lema se torne vida, uma vida que acenda muito fogo de Deus e de nossa Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt pelo Brasil todo.

Permanecemos unidos no coração do nosso Pai e Fundador para a realização da sua missão.

Em nome da Central Nacional de Assessores,

Pe. Ivan Simicic
Diretor Nacional do Movimento de Schoenstatt do Brasil
Londrina, 16 de novembro de 2017

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Santuário Tabor Magnificat relembra Finados com renovação da fé


Pe. José Kentenich: O céu e a terra, o aquém e o além, uma grande e firme unidade!


Texto e fotos - Geni Hoss

A memória dos falecidos é uma celebração de esperança. Esperança que ressuscitaremos em Cristo. Nos primeiros séculos, os cristãos rezavam pelos mortos nas catacumbas. A memória dos mortos na Missa está registrada desde aproximadamente o século IV. No século seguinte, passou-se a reservar uma data por ano para rezar pelos mortos. O dia 2 de novembro ficou definido no século XIII, um dia após o Dia de Todos os Santos. 

Hoje muitas pessoas acorrem aos cemitérios no dia de Finados para fazer memória aos seus entes queridos. Por ser feriado, também cristãos de outras denominações e religiões fazem um dia de oração, com ritos próprios, para lembrar os mortos.  

No Santuário Tabor Magnificat, foram muitas as pessoas que fizeram orações no Santuário, acenderam velas e participaram da Missa, às 17h, presidida pelo Pe. Marcelo Souza, capelão do Santuário. A memória dos mortos é lembrança daqueles que nos deixaram, mas, na esperança cristã, estão em comunhão com a Igreja peregrina. Neste sentido se pode falar da celebração da vida. É, portanto, uma celebração para renovar a fé na ressurreição em Cristo. 

"Os mortos não estão mortos, eles vivem entre nós, eles também vivem por nós e pela sua e nossa obra comum. O céu e a terra, o aquém e o além, uma grande e firme unidade!" (José Kentenich. In: Schönstattkelender, 1985).








quinta-feira, 2 de novembro de 2017

E celebramos Todos os Santos!


Texto: Franciane e Ricardo Wazen
Fotos: União de Famílias - Curitiba


No dia 28 de outubro, com a proximidade da Solenidade de Todos os Santos, a União de Famílias de Curitiba celebrou antecipadamente esta data com a “Festa dos Anjos, Santos, Heróis e Princesas”.

Nos tempos em que personagens bizarros e assustadores tomam conta das festas infantis, a União quis proporcionar um momento para conhecer e propagar a história dos santos e anjos que são exemplos de vida, de amor e de paz. Faz parte do mundo infantil a fantasia, o acreditar que ao vestir aquela roupa ela está se transformando naquele personagem. Por isso é tão importante cultivar neles a admiração por pessoas virtuosas e personagens que tentam fazer o bem.

A festa teve o intuito de proporcionar momentos de alegria, oração e partilha. A alegria das crianças em vestir suas fantasias já vem de casa e permeia todo o dia e o ambiente. O momento de oração foi feito com um terço bem dinâmico com músicas e a participação dos pequenos. Ao mesmo tempo, durante a festa, tanto as crianças como alguns pais também fantasiados puderam partilhar o que sabiam da história dos santos e anjos a quem imitavam.

Nessa edição da festa tivemos muitos Anjinhos, Nossa Senhoras, São Josés, Santa Catarina, Santa Gema, Madre Teresa de Calcutá, O Herói de Schoenstatt Luiz Pozzobon, enfim, não faltou criatividade!


Com o sucesso que tem sido essa comemoração, para o próximo ano a meta é abrir a festa a todos que queiram participar. O objetivo é promover de forma bem positiva e lúdica a cultura da Vida, do Encontro, enfim a cultura da Aliança que nosso Pai Fundador deixou como missão para nós!


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Santuário Tabor Magnificat celebra Festa da Aliança e abertura do Ano Padre Kentenich

Texto e Fotos - Anne Ehlke

 

No último domingo (15), romeiros e membros do Movimento de Schoenstatt participaram da Festa da Aliança de Amor e abertura oficial do Ano Padre Kentenich no Santuário Tabor Magnificat de Curitiba.

Às 13h, as pessoas foram acolhidas em frente ao santuário e assistiram ao teatro sobre a consagração do Pe Kentenich a Nossa Senhora quando ele tinha apenas nove anos. Do mesmo modo, as crianças presentes foram consagradas à Maria.


Em seguida, todos rezaram o terço em gratidão aos 103 anos do Movimento e por aqueles que têm, de alguma forma, suas vidas ligadas a ele. Depois se dirigiram à praça do Pai e Fundador para a abertura do seu ano.


Às 17h, foram em romaria até a capela, onde o padre Marcelo de Souza celebrou a Santa Missa. Na homilia, o sacerdote falou sobre a paternidade do padre Kentenich. “Ele, na expressão da palavra ‘padre’, é um pai. Um pai que está ali na porta do santuário acolhendo todos os seus filhos”, afirmou.


Além disso, padre Marcelo pediu para que as pessoas presentes levassem, de modo especial neste Ano do Pai, a cultura da Aliança de Amor para outros. Assim eles também terão a oportunidade de experimentar o amor de pai do Pe Kentenich e afirmar “aqui [no santuário] encontrei um pai para a vida”.


A festividade foi encerrada com a tradicional queima dos capitais de graças na Pira do herói schoenstattiano José Engling.



Feliz Dia da Aliança de Amor!

Texto - Ir. M. Franciane Castellani
Fonte - www.schoenstatt.org.br

Profundamente imerso na condução da divina Providência em sua vida e atento aos mínimos acenos de Deus e da Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt, o Pe. José Kentenich deixou-se utilizar como instrumento dócil e fiel, para que o divino pudesse novamente irromper em nossa história. Certa vez, ele confessou que o grande acontecimento de sua vida se deu no dia da Fundação de Schoenstatt, em 18 de outubro de 1914.

Essa data é recordada por todos os schoenstattianos com profunda atitude de gratidão, pela fé ousada do Fundador, que com a mão no “pulso do tempo e o ouvido no coração de Deus”, passou com confiança pelas portas que lhe abriu Deus em sua infinita misericórdia. A vivência da Aliança de Amor tornou-se para o Pe. Kentenich sua razão de vida, sua fonte de bênçãos e o Santuário seu lugar predileto. Ele mesmo dizia: “Quem me procura me encontra no Santuário”.

Somos convidados a experimentarmos em nossa vida a realidade da “troca” de corações com a Mãe de Deus, assim como ele o fez e, por esta vivência, entregar-nos sem reservas à condução amorosa de Deus; ousar em cada circunstância, com singeleza filial, dar o salto ousado da fé e acreditar que, na Aliança de Amor, a Mãe no guia, nos educa e nos envia em missão.

sábado, 14 de outubro de 2017

Crianças são consagradas e têm Missa especial no Dia de Nossa Sra. Aparecida

Fotos - Joelma Polli
Texto - Renata Orsato



“Deixai vir a mim estas criancinhas e não as impeçais, porque o Reino dos céus é para aqueles que se lhes assemelham” (Mateus 19, 14). No Dia de Nossa Senhora Aparecida, as crianças tiveram uma tarde especialmente dedicada a elas, já que Outubro é o mês das Crianças.

Por volta das 15 horas, foi feita a consagração delas dentro do Santuário Tabor Magnificat. “Nós queremos entregar estas crianças à Mãe de Deus para Ela entrega-las a Jesus e ao Pai do Céu. Nossa Senhora é Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt e Aparecida”, disse na ocasião a Irmã Maria Inês Rubin.

Ela pediu para que, ao rezarem, os pais, padrinhos e madrinhas, avós e tios presentes meditassem sobre as palavras ditas e também colocassem suas preocupações a respeito da educação e do futuro das crianças, pois Maria recebe tudo e se responsabiliza junto a eles.

Então, tanto adultos quanto crianças entoaram juntos a Consagração à Mãe de Deus, e a exemplo da mãe do Pai Fundador Padre José Kentenich, confiaram os pequeninos aos cuidados da Virgem Santa. Ao final, a Irmã propôs que todos rezassem um lindo Santo Anjo e cantassem “Mãezinha do Céu”.

A tarde seguiu com várias brincadeiras no gramado, como pingue pongue, cama elástica e jogos de tabuleiros. Às 17 horas, quando bebês e criancinhas estavam mais calminhos, partiram para a Santa Missa com liturgia dedicada a eles, preparada pelas Irmãs de Maria, Apóstolas Luzentes de Maria e Juventude Feminina.


A procissão de entrada, ao som do Hino Nacional, teve a bandeira do Brasil carregada por um menino e uma menina, seguidos por três meninos que com uma rede representaram os pescadores de Aparecida, além das Apóstolas Luzentes e várias crianças que portando balões conduziram a imagem de Nossa Senhora Aparecida até o altar.




As leituras foram entoadas com muita doçura pelas crianças, antes da homilia, em que o Padre Marcelo de Souza chamou todos os pequeninos presentes para que eles pudessem ouvir os ensinamentos mais de perto, destacando que eles são sempre os primeiros a entrar para o Reino dos Céus.


Após, o quadro e o Manto da Mãe de Deus passaram derramando bênçãos sobre a Assembleia. Ao final da celebração, houve um momento de gratidão pelo Jubileu de 300 anos, com homenagem e coreografia muito animada das Apóstolas Luzentes, que ao final coroaram a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Viva a nossa Mãe Rainha!



12/10/17: Jubileu de 300 anos de Nossa Senhora Aparecida

Fotos - Joelma Polli
Texto - Renata Orsato


Mais de 1800 fiéis peregrinaram ao Santuário Tabor Magnificat para renovar sua devoção, agradecer e pedir graças


“Aparecida das redes aos corações dos humildes”. Foi com essas palavras que se deu início à Solenidade do Jubileu de Nossa Senhora Aparecida, no Santuário Tabor Magnificat. Mais de 1.800 pessoas compareceram, grande parte delas inclusive peregrinou até o local. 10 paróquias se juntaram à família de Schoenstatt em ação de graças pelo dia especial.

Participaram da celebração Pe. Marcos (Paróquia São Rafael), Pe. João Jorge (Paróquia Santa Edwirges), Pe. Edson (Paróquia Cristo Ressuscitado), Pe. Rivael (Paróquia Nossa Senhora de Lourdes), Pe. Auxílio (São Grato e São João Batista Precursor), Pe. Carlos (Paróquia São José Trabalhador), Frei Eduardo (Paróquia São João Batista), Pe. Márcio (Paróquia Bom Jesus Ferraria), Pe. Fabiano (Paróquia Santo Antônio de Orleans) e Pe. Marcelo de Souza (capelão do Santuário Tabor Magnificat).

Graças aos sacerdotes que se fizeram presentes, os fiéis puderam contar com atendimento de confissões, em barracas reservadas.




A imagem

A réplica (Fac-Símile) idêntica à original foi colocada em um andor decorado com rosas, que ficou em frente ao Santuário até o início da solenidade, com livre acesso aos peregrinos para que pudessem agradecer e entregar seus pedidos.

A história da imagem original remonta ao século XVIII. Em 1717, os pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves foram pescar no Rio Paraíba do Sul, que banha os Estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Após descer o rio sem conseguirem um peixe sequer, chegaram ao Porto Itaguaçu, lançaram as redes e apanharam primeiro a cabeça, depois o corpo de uma bela imagem de Nossa Senhora, no estilo barroco. Nas outras vezes em que as redes foram jogadas, os peixes vieram aos montes.

Os pescadores então levaram a imagem para a casa de Felipe Pedroso e os vizinhos começaram a se reunir com sua família para rezar. A partir disso, ela foi restaurada não somente fisicamente, mas no coração do povo. Por intermédio de Nossa Senhora Aparecida inúmeros milagres ocorreram, a contar do primeiro: em uma noite do ano de 1733, duas velas que iluminavam a Santa se apagaram sem que houvesse nenhuma corrente de ar ou sopro e antes mesmo dos fiéis pensarem riscar um fósforo, as chamas reacenderam sozinhas. Outro milagre muito marcante ocorreu por volta de 1850, quando o escravo Zacarias rogou pela sua libertação na Igreja onde se encontrava a imagem e devido à sua grande fé teve as correntes rompidas.



A solenidade

Tendo início às 9h30, a procissão de entrada contou com os acólitos, coroinhas e sacerdotes de todas as paróquias. A imagem da Virgem foi trazida pela juventude da paróquia Santo Antônio de Orleans até o altar da celebração, precedida por uma belíssima coreografia apresentada por três jovens, ao som da música O Brasil é Todo Teu (André Alves). Durante a Santa Missa, alguns casais ergueram o andor e todos os fiéis entoaram a Ladainha de Nossa Senhora Aparecida, entoando em cada estrofe “Maria clamamos a vós”.




Pe. Marcelo, em uma emocionante homilia, falou sobre a devoção do povo à Mãe Maria de Aparecida: “Nós cantamos ‘Deus a amou e a escolheu’, e isso Ele fez muito antes de nós existirmos. E se Deus fez assim, por que nós faríamos diferente? Nós também devemos a amar e a escolher para estar ao nosso lado e nos ajudar, fazer com que Maria tenha um lugar muito especial em nossa vida. Nós queremos fazer nessa manhã esse pedido ao Senhor: que Ele nos ajude a recordar todos os dias do que proporcionou à vida de Maria. Que nós possamos hoje renovar a nossa devoção a Ela, como os milhares de fiéis que se encontram na cidade de Aparecida”.

O capelão também destacou a solenidade realizada no dia anterior, na Basílica de Aparecida: “Nossa Senhora foi coroada. Sua coroa trazia um pouquinho de terra de cada Estado do Brasil, para significar que Ela é Mãe do povo brasileiro, que Ela faz parte da nossa fé e da nossa história. Então nós queremos hoje manifestar gratidão porque Deus nos deu Maria como nossa Mãe. A mulher vestida de Sol é a prova de que junto a Maria e Deus podemos sempre vencer o mal”.

Por fim, Pe. Marcelo destacou a atitude serviçal de Maria ao dizer seu sim ao Senhor: “Quando nós olhamos a nossa história, Maria deu graças à Deus quando aceitou ser a Mãe de Jesus, Ela não pensou em si, mas em toda a humanidade, em tantas gerações, em cada um de nós. Ela continua dizendo ‘eu quero uma vida digna para os meus filhos’ e nos motiva a lutar por isso, permanecendo atenta às nossas necessidades. Para que as muitas graças e bênçãos se façam presentes, devemos, como disse Maria no milagre das Bodas de Caná, fazer tudo o que Jesus nos disser”.


Ao final da celebração, rosas foram distribuídas entre os presentes. Quem recebeu, assumiu o compromisso de rezar um terço mariano, possibilitando que 15.000 orações fossem feitas no dia. Depois houve momento próprio para todos rezarem a oração do jubileu de 300 anos e uma Ave Maria.



Tarde das crianças

No período da tarde, integrantes dos diversos ramos da família de Schoenstatt se juntaram para promover brincadeiras em comemoração ao mês das crianças, e também a venda de pastéis e bolo comemorativo.

As crianças também tiveram uma Consagração à Mãe de Deus e uma Santa Missa especialmente preparada e dedicada a elas, tendo a contribuição do Instituto das Irmãs de Maria, das Apóstolas Luzentes de Maria e da Juventude Feminina.



Tríduo da Festa da Aliança

Às 15h a Novena da Confiança, seguida pelo Terço Mariano, e às 17h a Santa Missa deram início ao Tríduo em Preparação à Festa da Aliança de Amor. O tema do 1º dia foi “Pai para todos”, no 2º dia “Pai e Educador” e no 3º dia “Pai e Educador”, em referência ao Ano do Padre Kentenich, que vai de Outubro deste ano até Outubro do mês que vem.

A Festa da Aliança de Amor relembra a primeira Aliança de Amor, firmada em 18 de Outubro de 1914, em Schoenstatt (Alemanha).


***

*** 

Fontes consultadas: http://devotosdamae.blogspot.com.br/2012/10/os-primeiros-milagres-de-nossa-senhora.html, https://formacao.cancaonova.com/diversos/nossa-senhora-aparecida-uma-historia-de-fe/

sexta-feira, 13 de outubro de 2017


Instagram - @santuariodeschoenstattcuritiba
 (Link https://www.instagram.com/santuariodeschoenstattcuritiba)

Facebook - @schoenstattcuritiba 

Youtube - Canal Santuário de Schoenstatt Curitiba

Grupo Missionário Magnificat promove formação para moradores de Rio Branco do Sul/PR

Fotos e texto - Alexandre Rossi


O Domingo de 1º de Outubro foi dia de dar continuidade às Missões Familiares do último carnaval, realizadas em Rio Branco do Sul/PR. Membros do Grupo Missionário Magnificat acolheram no Santuário de Schoenstatt de Curitiba os casais missionários do Encontro Motivacional nas Comunidades (EMC), vindos da Paróquia Nossa Senhora do Amparo, a Igreja Matriz da cidade de Rio Branco.

Os 22 adultos e 7 crianças ainda não conheciam o "pedacinho do céu", por isso aproveitaram para aqui passar um dia agradável e conhecer as três graças do Santuário, bem como aprender um pouco mais sobre o Movimento de Schoenstatt. 

Após, receberam uma formação sobre os seis passos da missão e participaram do Projeto Leve a Mãe para Casa. Por meio deste projeto, todos entraram em contato com a figura do Pai Fundador e levaram uma bela lembrança para casa: a pequena imagem da Mãe de Deus com Jesus Menino.






terça-feira, 3 de outubro de 2017

Apóstolas Luzentes de Maria comemoram 90 anos

Fotos e texto - Heloisa Benato

E nesse ano as nossas pequenas princesas de Schoenstatt estão em festa! Com muita alegria, temos a honra de comemorar o jubileu de 90 anos das Apóstolas Luzentes de Maria! Assim como disse o Pai Fundador, cada Apóstola tem a missão de ser Luz e Sal da Terra, um  verdadeiro jardim que transmite alegria e esperança...
É com este ideal "Faça-se pequena Maria, Luz da Esperança" que as Apóstolas de Curitiba estão vivendo um ano muito abençoado e especial. Desde o início das atividades, cada grupo vem entregando vários capitais de graça por todo o jubileu que estão vivendo. Através das reuniões, foram conhecendo a história de todo o ramo e percebendo o quanto são privilegiadas por fazerem parte dessa história! No final de semana dos dias 24 e 25 de maio tivemos a alegria de comemorar esse Jubileu tão especial em Atibaia, com Apóstolas de todo o Brasil, fazendo novas amizades, aprendendo, cantando e agradecendo. As meninas de Curitiba fizeram uma linda dança na vivência de sábado à noite, representando a Luz no meio das trevas do mundo. 

E as comemorações não param por aí, nos dias 23 e 24 de setembro elas tiveram um maravilhoso acampamento no Santuário Tabor Magnificat, começando com um momento de integração, seguido da vivência, na qual puderam escutar as palavras que o Pai Fundador as deixou e finalizando com uma festa muito animada, com show de talentos e muita dança.

Mas o ano ainda não acabou para as nossas pequenas... cada grupo continuará com as suas reuniões e muita entrega ao capital de graças, festejando a cada dia a alegria de pertencer ao Reino da Mãe!