quarta-feira, 24 de maio de 2017

Há 32 anos nascia uma história de fé, união e conquistas


Santuário Tabor Magnificat comemora seu aniversário com grandiosa festa


Desde a sua fundação, em 19 de Maio de 1985, o  Santuário Tabor Magnificat abriga muitas graças, orações, sacrifícios e propósitos de pessoas que juram fidelidade à Mãe Três Vezes Admirável. Em comemoração aos seus 32 anos muito bem vividos, a Família curitibana de Schoenstatt se reuniu e promoveu uma grande festa, com direito a Missa Solene, almoço comunitário,  cantata e até um bolo com “Parabéns para Você”.


O dia começou com chuva, o que não intimidou o comparecimento dos fiéis e, segundo o Pe. Marcelo de Souza, capelão do Santuário, representou um sinal das bênçãos que Deus e a Mãe constantemente derramam sobre o lugarzinho predileto. 


A Tenda do Pai, espaço montado pelas mulheres da Liga Apostólica Feminina de Schoenstatt (LAFS) para contar a história do Pai Fundador, já estava pronta logo cedo e adornada com o “Telefone do Pai” – expositor de cartões com mensagens do Padre José Kentenich – e cartazes com os principais marcos históricos de sua trajetória. A Liga também promoveu a “Campanha dos Tijolinhos”, que busca arrecadar recursos para a conclusão das obras da Casa de Retiros.

Às 11 horas foi dada a abertura na Santa Missa Solene. A procissão de entrada homenageou o Jubileu dos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida, junto a balões comemorativos e bandeiras dos ramos do Movimento de Schoenstatt. Na homilia, Pe. Marcelo destacou o motivo da festa: “É dia de agradecer a Deus pelo dom que é o nosso Santuário, e a melhor forma de agradecer é a Eucaristia”.

Ao final da celebração, quem estava presente no dia da Inauguração do Santuário foi convidado a cantar “Parabéns para Você” e assoprar as velhinhas do bolo de aniversário. Após, todos se reuniram para compartilhar de um almoço, preparado pela Liga de Famílias, que serviu um delicioso strogonoff de carne.


E de sobremesa, é claro, foram servidos os pedaços do bolo recheados com medalhinhas da Mãe Rainha, vendidos em prol da construção da Casa de Retiros. Com o mesmo objetivo, foi realizado pelas Irmãs de Maria um bazar com roupas de inverno, lenços e calçados doados por frequentadores do lugar onde ‘é bom estar’.

Após um breve intervalo, foi a vez da Juventude Feminina, da Juventude Masculina e das crianças da creche amparada pelo Santuário homenagearem a Mãe de Deus. Eles promoveram uma cantata, um teatro e uma apresentação com pequenas meninas caracterizadas pelos diversos títulos de Nossa Senhora. Tudo foi organizado e supervisionado pelas Irmãs, que também efetuaram o sorteio de um quadro da Mãe Rainha. As atividades da tarde foram finalizadas com um momento de exposição e adoração ao Santíssimo Sacramento.



Na Santa Missa Solene das 17 horas, os presentes foram surpreendidos pela entrega da estrela do lenço aos Pioneiros de Rio Negro/PR, a última conquista do grupo antes de iniciarem nos Aliados.  Dhiego Valerio, da Juventude Masculina de Rio Negro/PR, contou que o símbolo representa Maria, a estrela que os guia e que os impulsiona a serem guias para os outros. “É muito bom para nós poder participar desta festa. Temos muita sorte por termos um Santuário de Schoenstatt aqui bem pertinho de nós”, comentou.




Créditos:
Texto - Rebeca Bembem
Fotos - Rebeca Bembem, Joelma Polli e Renata Orsato

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Tijolo por tijolo, as salas da Casa Padre José Kentenich ficaram prontas!


A família de Curitiba/PR celebrou a conquista dos novos espaços, que foram inaugurados no dia do aniversário do Santuário Tabor Magnificat


Como uma casa, em que um tijolo se junta ao outro para erguer suas paredes, a família vai se formando. Assim foi com a Família de Schoenstatt de Curitiba/PR, que celebra os 32 anos de seu Santuário em um ato de ação de graças pela conclusão da construção de três salas da Casa Padre José Kentenich.

 Na sexta-feira, dia 19, foi celebrada a Santa Missa, seguida pela bênção e sorteio dos espaços entre as colunas que sustentam o movimento na capital paranaense: feminina, representada por União Feminina, Liga Feminina, Liga das Mães e Instituto das Irmãs de Maria; masculina, formada por Juventude Masculina, Terço dos Homens e Liga dos Padres Diocesanos de Schoenstatt; e familiar, composta por Liga de Famílias, União de Famílias e Instituto de Famílias.

“A conquista material dessas salas não é nosso único empenho. A ela soma-se nossa luta por torná-las um local de santificação pessoal e familiar, e suplicar, através de nossa postura, compromisso, zelo e responsabilidade, para que Maria se estabeleça em cada uma delas, e que faça daqui também um local de graças”, disse Aline Russi de Souza, presidente do Conselho da Família de Schoenstatt de Curitiba/PR.

A conquista simbolizou a importância de manter os corações unidos em orações, sacrifícios e ações de promoção de campanhas. “A existência de nossa família se deve às contribuições ao Capital Graças, da Mãe Três Vezes Admirável, por essa razão devemos manter inabalavelmente em todo o tempo, principalmente quando tivermos de nos defrontar com a prova de fogo, com as contribuições ao Capital de Graças, ergue-se ou cai a família e sua fecundidade”, foram as palavras do Padre José Kentenich (fundador do Movimento Apostólico de Schoenstatt) citadas pelo Padre Marcelo de Souza para reforçar a união de todos os ramos e romeiros, que agora têm à sua disposição os espaços para formação de muito mais discípulos de Schoenstatt.

19 de maio de 1985: a primeira conquista

Há 32 anos, o Santuário Tabor Magnificat abriu suas portas para receber milhares de peregrinos e oferecer uma profunda espiritualidade para aqueles que buscaram selar sua Aliança de Amor com Maria. Faz parte desta consagração tanto a exigência de fidelidade, o que engloba ser reflexo das atitudes e posturas da Mãe de Deus pelo mundo, quanto a promessa da obtenção de muitas graças.


O Padre Marcelo também enfatizou o caráter apostólico da aliança. “Quando foi fundado o movimento de Curitiba, foi confiada à nossa família a missão de anunciar a mensagem de Schoenstatt, levar a Mãe Três Vezes Admirável ao povo, pois não podemos trabalhar apenas com contribuições silenciosas para o Capital de Graças. Anunciar a mensagem da Aliança de Amor, da fé na Divina Providência e na missão. O Pai Fundador compartilha conosco essa responsabilidade”, disse.

terça-feira, 9 de maio de 2017

Aprendendo com Maria


Segunda parte do tríduo em preparação à Festa de Aniversário do Santuário enfatizou o tema "Como Tu passemos pela vida: fortes, dignos, simples e bondosos"


Marcada para o dia 21 de maio, a festa dos 32 anos do Santuário Tabor Magnificat está sendo preparada com muito carinho pelo Movimento Apostólico de Schoenstatt de Curitiba.  Antecedendo a festividade, a segunda etapa do tríduo foi marcada por forte alegria, com o tema “Como Tu passemos pela vida: fortes, dignos, simples e bondosos”.

Durante a homilia, o Padre Marcelo Souza reforçou que a distância entre Maria e nós precisa ser vista de outra forma, pois Ela está mais perto de nós do que pensamos. Tendo em vista uma aproximação ainda maior àquela que deu o seu sim para a Obra da Salvação, pode-se recorrer à espiritualidade de Schoenstatt, para assim compreender como Maria viveu a sua fé, aprender as atitudes marianas, estabelecer um modelo de confiança em Deus e contribuir com verdadeiras provas de amor a Deus.

Deixemos que Maria nos pegue pelas mãos e nos ajude a passar pela vida sendo fortes, dignos, simples e bondosos. 






terça-feira, 2 de maio de 2017

Venha para a Festa de 32 anos do Santuário Tabor Magnificat!


31 dias de louvores a Maria

O tema da Campanha da Pastoral do Santuário Tabor Magnificat, neste mês de maio, é “Estive no Santuário e rezei este terço por sua família”! Quem abraçou este projeto com toda a garra foi a Liga das Mães de Schoenstatt, que junto aos peregrinos e membros de outros ramos pode sentir, durante o primeiro terço, as “flores de maio de José Engling”. O momento de oração contou ainda com a participação da geração fundadora de Schoenstatt, que com o coração pulsando por Schoenstatt, soube oferecer belíssimos ramalhetes espirituais para Maria.

Como todos sabem, o Tabor Magnificat tem uma marca característica - é sem dúvida o Santuário da visitação e faz jus à sua missão, pois retrata a cena da visitação de Maria à sua prima Santa Isabel, na qual, depois de ser saudada e já contemplada em sua grande missão de ser a Mãe do Salvador, Maria canta o seu cântico do Magnificat.

Foi neste clima de visitação que propomos aos peregrinos ficar um pouco mais neste lugar de graças para rezar o terço por alguém. Durante todos este mês, quem comparecer ao Santuário recebe um terço com um cartão, no qual pode escrever o nome de uma família pela qual ele deseja rezar. A ideia central é que o terço seja levado de presente para ela e também seja feito um convite a fim de que seus membros possam vir rezar por outra família.




Missa reúne trabalhadores no Santuário Tabor Magnificat

Muita alegria e gratidão foram sentidos por quem quis iniciar o primeiro dia de Maio louvando São José, patrono dos trabalhadores. Eles vieram na casa de Maria e não poderia mter escolhido um lugar mais acertado para homenageá-lo do que o Santuário Tabor Magnificat. Vindos das Paróquias São José e Santa Felicidade e São João Batista, chegaram por volta das 10 horas e diante do trono da Mãe e Rainha louvaram e agradeceram por mais um ano de caminha a pé. Depois se dirigiram à Capela Magnificat, onde participaram da Santa Missa. 

A solenidade de São José é em 1º de Maio por toda a Santa Igreja, o Papa, em sua homilia deste dia, homenageou este homem que na sua obediência a Deus se tornou a guarda e protetor da Família de Deus: “o sonho de Deus de salvar a humanidade, de redimi-la, foi confiado a José. “É grande este carpinteiro! Silencioso, trabalhador e guardião que carrega as fraquezas e é capaz de sonhar. Uma figura que tem uma mensagem para todos” (Papa Francisco 1.05.2017).







segunda-feira, 1 de maio de 2017

Santuário Tabor Magnificat inicia Tríduo em preparação ao aniversário

Com a Festa de 32 anos do Santuário Tabor Magnificat se aproximando, deu-se início ao Tríduo em preparação para a comemoração, que ocorrerá no dia 21 de Maio. Durante as próximas três semanas, a Família do Movimento de Schoenstatt e os peregrinos são convidados a, em meio aos compromissos do dia a dia, reservarem um tempo para algumas reflexões sobre a representatividade da figura de Maria em suas vidas.

O livro Rumo ao Céu, escrito pelo fundador do movimento Padre José Kentenich, enquanto estava no Campo de Concentração de Dahau (Alemanha), apresenta a oração que foi selecionada como base para as interiorizações. “Torna-nos semelhantes à tua imagem, como tu, passemos pela vida fortes e dignos, simples e bondosos, espalhando amor, paz e alegria. Em nós percorre o nosso tempo, prepara-o para Cristo” (Rumo ao Céu, nº. 609, pág. 197).

Todos que interiorizarem os propósitos citados na oração são chamados a retornarem ao Santuário, dirigirem-se à imagem da Mãe de Deus fixada na Capela e retirar um dos retalhos que a encobre. Constará um número e um cupom para preencher nome e contato, que serão utilizados em sorteio do quadro com o retrato, no dia da festa.

Primeira parte do Tríduo

 As três Santas Missas deste final de semana tiveram a entrada dos celebrantes e Ministros da Eucaristia acompanhada por uma procissão de crianças, conduzidas pela Irmã Maria Doralice de Souza. Elas levaram flores que foram depositadas aos pés do quadro da Mãe de Deus, representando o amor que os brasileiros sentem por Ela.

Em continuidade à temática proposta para o início do Tríduo, durante a homilia, o Padre Marcelo de Souza buscou abordar aspectos relacionados à vivência prática do amor à Nossa Senhora. “Nós somos um povo que tem um profundo amor a Nossa Senhora. É só olhar para o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, milhares de pessoas todos os anos. É só a gente passar um dia aqui também em nosso Santuário, muitas são as pessoas que visitam, e nós acreditamos que tudo isso é sinal de amor”, disse.

Ele ainda destacou a importância do amor não apenas como sentimento, mas adicionalmente como impulso por adquirir mais conhecimento, pontuando se os fiéis realmente conhecem os textos bíblicos e os dogmas proclamados pela Igreja relacionados à Maria, além da missão que Deus a confiou na história da Salvação.

“Para entender melhor sua missão, nós vamos pedir ajuda ao Padre José Kentenich, o fundador da Obra internacional de Schoenstatt, conhecido por ser um dos mais fiéis apóstolos de Maria. Pela espiritualidade desenvolvida por ele, percebemos que seu objetivo não era só aumentar a devoaoção a Nossa Senhora, mas também que este amor à Ela transformasse a vida das pessoas, isso ele experimentou em sua própria trajetória. Não é somenter pedir intercessão por graças, mas muito além disso, viver como um verdadeiro cristão. E buscamos nela um modelo, dentro da história, Ela cumpriu a vontade de Deus de forma única”, explicou.


De acordo com a espiritualidade schoenstattiana, Maria estabelece-se como modelo por ter sido formada por Cristo e por formar Cristo nas pessoas. Assim, torna-se a nossa educadora e nós desenvolvemos uma relação que vai muito além da devoção, pois é delineada pela vivência de um amor profundo à Virgem Santa.

domingo, 30 de abril de 2017

Juventude Masculina de Curitiba/PR realiza Encontro de Dirigentes


Alegria, animação e companheirismo contagiaram os participantes


Nos dias 14, 15 e 16 de março, inspirados pela espiritualidade da Semana Santa, sete rapazes da Juventude Masculina (Jumas) de Curitiba se reuniram no Encontro de Dirigentes, com foco na Mística dos Pioneiros. Ministrado por membros do Jumas Jaraguá, Romário Souza e Carlos Gabriel, e com o apoio de alguns membros da União de Famílias de Curitiba, o evento objetivou preparar e motivar os participantes para a Escola de Dirigentes do Regional Paraná, que acontecerá em junho, na cidade de Londrina.

Os Pioneiros são um grupo formado pelos meninos mais jovens do Jumas, que possuem como missão abrir e desbravar caminhos para a passagem da Mãe de Deus e seu filho Jesus Cristo, bem como preparar a chegada de novos seguidores, por meio da vivência de bons exemplos como filhos, alunos, amigos e católicos.

Atividades desenvolvidas

Após a procissão da Sexta-Feira da Paixão, todos se reuniram no Santuário, onde foi feita uma oração inicial inspirada pela passagem de João 14,9b, que transcreve um dos mais conhecidos ensinamentos de Jesus: “Aquele que vê a mim, vê o Pai”. Também houve partilha das expectativas e temores com relação aos Pioneiros. Em seguida, no salão, todos se vestiram com túnicas, caracterizando-se como apóstolos, e participaram de uma vivência relembrando a Santa Ceia. Primeiramente, todos lavaram os pés uns dos outros, dizendo para cada um o porquê do gesto, depois todos se alimentaram de pão sírio e passaram por um momento de profunda reflexão e contribuição ao Capital de Graças.

Ao final da ceia, seguiram para o bosque portando velas nas mãos, para relembrar a Crucificação e Morte de Jesus. Então, foi apresentado o Capital de Graças em forma de Cruz, na qual cada um fixou com pregos o nome de um dos presentes no Encontro, recebendo como missão entregar suas orações e sacrifícios pela pessoa citada durante todo o final de semana, em um gesto de doação, assim como Jesus doou-se por cada um.

Durante o sábado foi promovida formação sobre a forma de viver a espiritualidade de um dirigente, como preparar reuniões e acampamentos, além de aprofundamento na Mística dos Pioneiros, o qual abordou todos os seus símbolos, conquistas e etapas.

Ao final da tarde todos participaram juntos da Celebração da Vigília Pascal, seguida por uma vivência sobre a importância da Paternidade. Os participantes foram convidados a refletir sobre as figuras paternas que tiveram em sua vida, como é a sua relação com essas pessoas e o que aprenderam com elas. Depois, de olhos vendados, os rapazes foram sendo conduzidos um a um até o salão onde, ao retirar as vendas, perceberam que em seu braço foi escrita a palavra “PAI” e a sua frente estavam os vários símbolos citados na formação (lenço, bandeira, anel, estrela, quadro de José Engling), representando um convite a exercerem sua paternidade em relação aos meninos que os aguardam e que a Mãe de Deus escolheu.

No dia seguinte, durante a oração da manhã foram feitos os agradecimentos, tanto da parte dos rapazes do Jumas Jaraguá aos membros do Jumas Curitiba que deram seu sim para o encontro, quanto da parte do Jumas Curitiba pela entrega e sacrifício do Romário e do Carlos Gabriel.


Os integrantes do ramo também agradecem ao apoio dos casais da União das Famílias e ainda pedem por Capitais de Graças e orações de toda a Família de Schoenstatt para que a Unidade de Pioneiros possa renascer no Jumas Curitiba.


terça-feira, 18 de abril de 2017

Curitiba e Porto Amazonas presentes na 19ª Cruzada do Homem Novo


Caminhada realizada durante a Semana Santa reuniu 220 jovens, que percorreram 80 quilômetros de Londrina/PR até Cornélio Procópio/PR


Impulsionados pelo lema do seu ramo para o ano de 2017, “Com Maria, Geração Missionária: ou Cristo ou nada!”, cerca de 220 membros da Juventude Masculina (Jumas) de Schoenstatt dos Regionais Paraná e Sudeste participaram da 19ª Cruzada do Homem Novo. Eles caminharam 80 quilômetros de Londrina a Cornélio Procópio tendo como objetivo o aprofundamento de sua espiritualidade durante a Semana Santa. Foram três dias de caminhada, passando pelas cidades de Londrina, Jataizinho, Uraí e Cornélio Procópio.

A caminhada foi dividida da seguinte forma: na quinta-feira os jovens percorreram 25 quilômetros saindo do Santuário Tabor Esmagadora da Serpente, em Londrina, pela manhã, em direção à cidade de Jataizinho; na sexta-feira, quando se recordou a paixão do Senhor, foi o dia mais desafiador, pois o grupo percorreu 35 quilômetros de Jataizinho à cidade de Uraí e, finalmente, no sábado, caminhou 20 quilômetros de Uraí com direção ao Santuário Tabor da Fidelidade à Igreja, em Cornélio Procópio. A caminhada era somente pela manhã e tarde, após, os demais momentos eram destinados ao descanso, às celebrações litúrgicas de cada dia e também à espiritualidade com as vivências da noite.

Alex Souza e Robson Popoatzki foram os escolhidos para representar as cidades de Curitiba e Porto Amazonas. Robson relatou um pouco da sua experiência com este ato heroico: “Pude vivenciar a Semana Santa de uma maneira especial, como jamais havia feito antes, pois a vivência de Schoenstatt é algo incrível, especialmente no Jumas, pois tive a oportunidade de conviver melhor com os meninos de outras cidades do Paraná, como Ibiporã, Maringá, Londrina, Cornélio Procópio e São Sebastião da Amoreira, e aprender com eles como funciona o ramo nas suas cidades, assim, me animei ainda mais com a missão de ajudar o Jumas Porto Amazonas, Curitiba e Rio Negro a crescer!”

Já Alex, que estava em sua 4ª participação na caminhada, ressaltou a importância deste ato e também a emoção de estar presente mais uma vez: “Eu fico muito feliz em poder retornar e vivenciar minha Semana Santa sempre diferente e de forma mais forte, pois assim eu realmente consigo entregar todas as dores e dificuldades da vida, em prol da santificação e fidelidade à Missão que Deus tem para cada um de nós, seja ela qual for. E isto se torna ainda melhor quando encontramos amigos de ramo que fazemos ao longo da caminhada de fé, unidos nos mesmos propósitos e na Aliança de Amor com a Mãe de Deus. É emocionante”.  

Realmente não é fácil encarar o trajeto inteiro, porém, com muita fé e lembrando, principalmente, da entrega de amor que Cristo fez pela humanidade, todos se revestiram de forças e, mesmo com dores, cansaço físico e o sol forte, fizeram tudo valer a pena e mostraram que realmente a vitória sempre aparece. “Senti medo, após o fim do primeiro dia de caminhada, pois estava com bolhas nos pés e com muito cansaço, mas a vivência de quinta-feira à noite, especialmente, me deu confiança para seguir firme na sexta-feira, terminando com a sensação de agradecimento a Deus por ter me concedido forças, também a Cristo, pela sua entrega de Cruz e às pessoas que estiveram ao meu lado na preparação para a Cruzada, de modo especial ao Alex, que me incentivou muito em cada ocasião em que conversávamos no caminho”, contou Robson.

“Nesta cruzada entreguei especialmente todas as mudanças abençoadas da minha vida para este ano: o meu casamento, a vida da família, a minha preparação e a confirmação do meu sim à Aliança Filial que selarei em breve, como também todos os frutos que virão adiante e a lição de que mesmo nos momentos mais turbulentos devemos ser fieis na Aliança, não desanimar jamais e não se preocupar com coisas que possam deixar a gente para baixo, pois tudo encontra-se no perfeito cuidado de Deus e da Mãe de Deus. Achei muito gratificante ver a entrega do Robson nesta caminhada, pois isso representa mais um fruto das nossas Missões Familiares em Porto Amazonas (2014 e 2015), na ocasião ele foi missionado e já chegou até a se tornar o pioneiro para a fundação do Jumas em sua cidade, sinto-me feliz em poder ajudá-lo também nesta tarefa de iniciarmos um novo ramo de juventude no nosso regional”, comemorou Alex.

Ao final da cruzada, na entrada de Cornélio Procópio, os jovens foram recebidos com muita festa: fogos de artifício, barulho de motocicletas, carreata e palavras de incentivo dos moradores da cidade. Então, dirigiram-se até a entrada do Santuário, onde muitas pessoas os aguardavam, e, como prova de seu heroísmo até o fim, todos subiram correndo e se ajoelharam em frente ao Santuário, como agradecimento por toda essa Semana Santa abençoada que passaram juntos. Em seguida, consagraram-se à Mãe Três Vezes Admirável e cantaram uma canção chamada “Franz Reinisch”, para homenagear um dos heróis do Movimento de Schoenstatt e relembrar a conquista de Cristo sobre a Cruz. Suas reflexões deste momento basearam-se no fato de que nós também podemos assemelhar-nos a Jesus, sendo mais fieis e conscientes ao encarar, com amor, cada situação na vida, seja revestida de pedras como também repleta de alegrias.

Quando se caminha junto com Cristo e a Mãe de Deus, somos mais fortes. “Aleluya, todo es posible para nosostros. Resucito, Cristo nuestro señor”, é um trecho de outra música entoada pelos rapazes, “Renace la vida y el corazón”. Com a finalidade de vivenciar essa renovação pessoal na realidade do dia a dia, eles fizeram o propósito de carregar sempre o lema da Cruzada, que os acompanhou nestes dias e o qual reafirmaram com muito amor: "JÁ NÃO SOU EU QUE VIVO, É CRISTO QUE VIVE EM MIM".

domingo, 16 de abril de 2017

Feliz Páscoa!


Família do Santuário Tabor Magnificat louva a Ressurreição do Salvador


Ontem, a partir das 17 horas, iniciou-se a celebração do Sábado Santo, em memória da ressurreição gloriosa de Nosso Senhor Jesus Cristo. É a chamada “Mãe de todas as santas vigílias”, porque a Igreja mantém-se de vigília à espera da vitória do Senhor sobre a morte.

Cinco elementos compõem a liturgia da Vigília Pascal: a bênção do fogo novo e do círio pascal; a proclamação da Páscoa, que é um canto de júbilo anunciando a Ressurreição do Senhor; a liturgia da Palavra, que é uma série de leituras sobre a história da Salvação; a renovação das promessas do Batismo e, por fim, a liturgia Eucarística.

   
O Evangelho narrou a passagem em que Maria Madalena e Maria (mãe de Tiago) vão ao túmulo de Jesus, quando um grande tremor as surpreende. “Mas o anjo disse às mulheres: ‘Não temais! Sei que procurais Jesus, que foi crucificado. Não está aqui: ressuscitou como disse. Vinde e vede o lugar o lugar em que ele repousou. Ide depressa e dizei aos discípulos que ele ressuscitou dos mortos. Ele vos precede na Galileia. Lá o haveis de rever, eu vo-lo disse” (Mt 28, 5-7).

A promessa das Escrituras se concretiza com a ressurreição de Jesus Cristo, dando início aos novos tempos, quando não precisa mais se temer, pois Deus mostrou que ama intensamente seu povo, oferecendo seu próprio filho em prol da salvação do mundo. Que nós possamos aproveitar este Domingo de Páscoa para renovar a nossa fé e confiar ainda mais nos desígnios de Deus, porque ele atua de forma perfeita em cada pequeno detalhe de nossas vidas.

A cerimônia

Alguns momentos marcaram a ocasião, como a Vigília diante do Santuário com a bênção do fogo e do Círio Pascal, que é rico de simbologia do Ressuscitado: nele estão impressas as letras Alfa e Ômega, Jesus princípio e fim: A Ele o tempo e a eternidade, a glória e o poder pelos séculos sem fim”! Encontram-se ainda cinco grãos de incenso em forma de cruz, símbolo das chagas Cristo: “Por suas santas chagas, suas chagas gloriosas, Cristo nos proteja e nos guarde. Amém”. O círio lembra a luz de Cristo, por isso, é com ele que se faz o anuncio da luz e se acendem as velas da renovação batismal.

Após, todos se dirigiram em procissão à capela Magnificat. Ao longo do caminho foi feita a apresentação da luz de Cristo, com a última estação, na entrada da capela, já em penumbra. Ali seguiram as leituras da história da Salvação e o grande anúncio da Ressurreição.

O hino do Glória, após semanas de silêncio, ecoou com jubilo especial. Com uma reflexão sobre o significado desta santa Vigília, pelo presidente da celebração, o capelão Padre Marcelo Souza, todos renovaram as promessas batismais. Seguiu-se então o rito eucarístico, com solenes hinos e as orações próprias.

Antes da solene bênção pascal, as Irmãs de Maria desejaram a todos uma abençoada Páscoa, a seguir, o Padre Marcelo também apresentou seus votos de Feliz Páscoa e agradeceu a colaboração de todos os que ajudaram na Liturgia, cantos e todos os serviços relacionados ao Tríduo Pascal.

Assim, todos partiram para seus lares com as bênçãos e graças do ressuscitado! 

Fonte consultada: http://www.gaudiumpress.org/content/45269-O-cirio-pascal




sexta-feira, 14 de abril de 2017

O verdadeiro amor começa na Cruz

A Semana Santa segue com ampla participação dos fiéis no Santuário Tabor Magnificat. O Tríduo Pascal foi iniciado ontem, com a cerimônia de Lava Pés. Na ocasião, as leituras recordaram como o Pai Criador instituiu a Páscoa entre o povo escolhido de Israel (Ex 12, 1-8.11-14) e o Senhor instituiu a Eucaristia durante a Santa Ceia (1Cor 11, 23-26).

O cordeiro, que antes era imolado pelos judeus na Páscoa, tornou-se o próprio Cristo, que ofereceu seu corpo e sangue em sacrifício para a renovação da aliança de Deus com o mundo. O Lava Pés reforça a humildade de Jesus em servir e amar ao próximo até as últimas consequências.

A celebração realizada na Capela relembrou o ato altruísta com o sacerdote Marcelo de Souza e doze voluntários representando Jesus e seus discípulos. Um por um, os pés foram sendo lavados com muito amor. “Demos o exemplo. O exemplo de Jesus é de uma atitude de servo. Mas quando olhamos para Jesus compreendemos que não serviu de qualquer jeito. Ele serviu com amor, fazendo o bem sem esperar retribuição. Quando nós olhamos para a vida de Jesus, Ele sempre foi fazendo o bem àqueles que nada poderiam dar. Porque Jesus esperava e ainda espera que a gente possa dar o mesmo amor dado por Ele. É preciso pedir fidelidade para seguir o exemplo”, disse Pe. Marcelo na homilia.

Ele ainda enfatizou a importância da Santa Eucaristia para os católicos. “Nós também ouvimos em uma das leituras a expressão ‘fazei isto em memória de mim’. E fazer em memória de Jesus é não deixar que os seus ensinamentos se percam na história, que se possa dar continuidade à memória de que a Eucaristia está presente na Igreja. Que essa Eucaristia seja um sinal de que Jesus está presente”.

Outro tema abordado foi a instituição do sacerdócio, também celebrada na Quinta-Feira Santa. A comunidade aproveitou para fazer um agradecimento pelo ministério sacerdotal e homenageou o Pe. Marcelo, com uma bela canção cujo trecho resume sua missão: “um consagrado para amar, um consagrado para se doar, um amor que tudo suporta, um amor que não busca interesses seus, é o mais puro amor, o amor de Deus”.

Paixão de Jesus: momento de reflexão e renovação

A Sexta-Feira Santa iniciou com a realização da Via Sacra, no bosque do Santuário. Todos os presentes carregaram um pedaço de madeira, simbolizando os pedaços da Cruz de Cristo, e ofereceram sacrifícios, sofrimentos e contribuições ao Capital de Graças. Acompanhando as estações, puderam refletir sobre a trajetória de Jesus em busca da redenção dos nossos pecados, com orações e músicas que favoreciam o momento introspectivo.

Após, todos se reuniram novamente na Capela para a celebração da Paixão do Senhor. A Primeira Leitura (Is 52, 13-53, 12) mostrou a livre escolha de Jesus em ser humilhado e morrer em prol da salvação de todos os homens e mulheres. A Segunda Leitura (Hb 4, 14-16; 5, 7-9) falou sobre a confiança que podemos ter no Salvador, pois Cristo compreendeu o que é o sofrimento humano, nunca se colocou acima do Criador e teve suas súplicas atendidas por Ele.

O Evangelho (Jo 18, 1-19, 42) narrou a Paixão do Filho de Deus. “Por que recordar todos os anos a morte de Jesus? Porque em Jesus, a morte tem um novo significado. Na Cruz não está a morte de Deus, e sim o nascimento do Seu amor pelo mundo. Nunca podemos dizer que a Cruz venceu Deus. Deus venceu a cruz. Do coração transpassado de Jesus jorra uma fonte de água viva, que chega a todos nós, esse coração tem que ser o centro da vida cristã, porque é onde se encontra a justiça, a paz, o perdão. Na Cruz há a proclamação de que Deus ama o pecador e não o pecado. Por isso Ele quer atrair todos a Ele, para que o amor Dele por nós dê um sentido novo à nossa vida, que cada um possa se decidir por um novo caminho, onde Deus esteja presente, e não a morte. Deus sempre será vida, mas não devemos buscar qualquer vida, tem que uma vida que valha a pena, que seja doada e não desperdiçada. Como cristão eu devo viver o mesmo que Jesus viveu: um amor sem limites, que foi até a morte. A minha transformação, a minha vida nova, a minha salvação, e o verdadeiro amor deixado e desejado por Jesus começa na Cruz”, foram as palavras do Pe. Marcelo.